Nasci em São Paulo no centro, quase no marco zero.
Meu pai, Fuad Chaim, descendente da familia Abujamra, minha mãe Kathleen Frances Conway, norte americana, natural de Nova York.
Fui educado com boa disciplina, já que meu pai era tenente do CPOR e minha mãe sargento do exército americano e ex-combatente da segunda guerra, já viu... não era mole não.
Quando criança fui morar no Estados Unidos. Adorava o Central Park e a estátua da Liberdade, bem como a neve e um caminhãozinho que vendia sorvete e que passava na minha rua tocando um sino.
Voltei ao Brasil tempos depois e fui morar em Pinheiros.
Quando criança, adorava ouvir vitrola por quase todo o dia, desde música clássica, até Franki Laine, Yma Sumac e outros clássicos americanos da década de 40 e 50.
Tive forte influência musical da minha mãe, que já cantava. Ao ao chegar ao Brasil, em 1947, começou sua carreira musical, cantou com o cantor Caco Velho, Jamelão e outros; o seu pianista era o maestro André Penassi que tocava o seu repertório trazido dos Estados Unidos. Cantou pelas rádios do Rio de Janeiro e São Paulo e o seu nome artístico era Kay Frances. Fez muito sucesso na época e logo depois do seu casamento parou de cantar profissionalmente.
Com 10 anos de idade mudei para Praia Grande e aos 16 me apoderei de um violão que meu pai dera para a minha irmã, e comecei a aprender a tocar sozinho.
Já no final dos anos 60 o mundo musical mudava com o movimento hippie e o famoso festival Woodstock bem como o sucesso dos Beatles, e outros como Santana, Rolling Stones, Bee Gees, Grand Funk, Jimi Hendrix, Led Zepelin, Deep Purple, Pink Floyd e no Brasil a Bossa Nova e a Tropicália.
De 66 até o final dos anos 80 pude ver nascer e morrer o melhor da música existente no planeta. Neste tempo eu já tocava um pouco e tinha uma guitarra Rei e um amplificador Phelpa de 10 watts. Foi quando conheci o Miguel e montamos um duo, eu fazia a base e ele o solo, foi muito legal, tínhamos coragem de tocar em bailes da região; paramos de tocar quando eu entrei para o quartel.
Nesta mesma época ganhei do meu pai todo o equipamento necessário para um conjunto musical. Montei o meu primeiro conjunto com alguns músicos da região. A primeira formação não deu muito certo, mesmo assim tocamos bastante.Com a segunda formação conheci músicos de São Paulo que vieram morar na Praia Grande. O Beto já cantava na formação anterior e montamos um novo trabalho, fizemos vários bailes e boates da região, foi realmente um período bom.
Tive um duo com a minha mãe, tínhamos musicas próprias, eu fazia a música e ela a letra, também interpretávamos músicas dos Beatles, Bee Gees e outros.

MAIS...